Os cardumes de nadadores invadem as praias catarinenses

Vida Saudável

O amor pela natação é o que move Regina Feldmann, que comanda o Treino Travessias, um dos maiores projetos do gênero no Brasil. Quando fala do assunto o sorriso se ilumina e não raro ela se emociona. “Amo nadar, dar aula de natação e participar de provas no mar. Essa é uma paixão e a minha missão de vida é passar esse amor para o maior número possível de pessoas”, afirma.

Ela explica que o projeto surgiu a partir da necessidade que ela e o sócio Mauricio Cangiani identificaram a partir da realização da travessia da Ilha do Campeche, uma das provas mais tradicionais do calendário catarinense. “Não existiam profissionais que treinavam pessoas para que elas ficassem à vontade no mar e aprendessem a se portar neste ambiente aquático, que exige muito respeito por parte dos nadadores. O primeiro treino aconteceu em fevereiro de 2016 e foi lindo! Desde então, o grupo cresceu e já são 256 integrantes”, celebra Regina.

Regina Feldmann e Maurício Cangiani comandam em Santa Catarina o projeto Treino Travessias

Apesar do conhecido frio catarinense, os treinos não param no inverno, mesmo com as baixas temperaturas do mar, que chegam a 15 graus. Mas é no verão, claro, que o ânimo esquenta ainda mais! Com sol a pinho, água belamente espelhada e mais quente, os últimos treinos bombaram e reuniram mais de 50 nadadores por encontro. Para organizar a movimentação, três pessoas acompanham a previsão do tempo durante a semana e na quinta-feira é revelado o local do treino, que acontece todo domingo.

No verão, os ânimos aquecem ainda mais e os treinos chegam a reunir mais de 50 nadadores

“Com a crescente procura, já temos três níveis de treino e percursos com intensidades diferentes. Fazemos uma segurança bem legal com botes, jet ski, caiaques, stand up paddles e guarda-vidas. Após os treinos nos reunimos para um lanche de confraternização. Temos também um grupo de whatsapp bastante ativo, onde postamos fotos, educativos, orientações para os treinamentos”, conta.

Atualmente os treinos têm três níveis e percursos com intensidades diferentes

O sorriso da incansável Regina fica ainda mais iluminado ao falar do seu xodó: o cardume rosa! “Certa vez fizemos um treino e as meninas coincidentemente estavam de touca rosa e mandando muito bem. Um dos nadadores comentou que parecia um cardume de toucas rosas e que estava lindo, brilhando no mar. Eu me arrepio até hoje ao lembrar”, diz.

As integrantes do cardume rosa realizam diferentes ações sociais, como coletar lixo nas praias

Desde então, as integrantes do cardume rosa se reúnem para ações como coletar lixo nas ilhas, doação de sangue, plantio de árvores, além dos treinos, é claro. “Formamos um grupo que tem uma função social, sem preconceito, gênero ou classe. É claro que quando nos encontramos temos bate-papos típicos de mulher, mas o nosso elo principal é o amor ao esporte”, afirma.

Um grande staff faz a segurança dos treinos com botes, jet ski, caiaques e stand up paddles

De acordo com Regina, a participação das mulheres nas travessias cresce cada vez mais. E um detalhe que chama bastante a atenção: a presença de mulheres mais velhas nas provas. “A minha categoria, de 55 a 59 anos, é uma das mais fortes no circuito brasileiro. Também viajamos bastante para participar de provas nacionais e internacionais. O interessante é que os maridos vão junto para torcer e fotografar. São mulheres cheias de vida e que servem de exemplo que a vida é para ser vivida com intensidade”, garante.

“A vida é feita de histórias e com certeza temos lindos relatos para contar”, garante Regina

Com sua energia que contagia a todos ao redor, Regina segue o seu trabalho para que cada vez mais pessoas descubram o poder do mar, mas de forma segura. “Eu vejo muita gente inconsequente. Ser nadador de piscina é bem diferente de ser nadador do mar. É preciso ter respeito! Nunca nadar sozinho, sempre usar boia de sinalização, touca com cor chamativa e avisar os salva-vidas. Jamais entrar sozinho se não tiver alguém na praia”, alerta.

O abraço coletivo já virou marca registrada do Treino Travessias e sempre emociona os participantes

Para finalizar, Regina dá um conselho para os leitores do blog da Hammerhead. “Assim como a força do mar, temos o poder de dar a direção desejada em nossa vida. Precisamos vencer os medos e superar os desafios, assim como fazemos no mar. Independente da idade podemos viver essa emoção. A vida é feita de histórias e com certeza temos lindos relatos, que muito nos orgulham, para contar aos nossos filhos e netos”, finaliza.

Não existem comentários, envie o seu