Ídolos da natação disputam Troféu Finkel em Santos (SP)

Competições

Apenas uma semana após o fim do Mundial de Budapeste, na Hungria, que encerrou com um saldo muito positivo para a seleção brasileira – com 2 medalhas de ouro, 4 de prata e 2 de bronze -, os melhores nadadores do país entram novamente em ação a partir desta terça-feira (7) para o Troféu José Finkel. Considerada uma das competições mais importantes do calendário nacional da modalidade, as disputas acontecerão até sábado (12) na piscina de 50mts do Unisanta, em Santos.

Um dos destaques da competição será o nadador olímpico Henrique Martins, do Minas Tênis Clube, que disputou o mundial e ficou na sexta colocação nos 50mts borboleta, além de integrar a equipe do revezamento 4x100mts medley que finalizou em quinto. Embalado pelos ótimos resultados em Budapeste, a expectativa do atleta é repetir as suas melhores marcas. “No Mundial passei de coadjuvante à finalista, o trabalho realizado até aqui mostrou enorme evolução e fiquei ainda mais motivado. Portanto, espero obter ótimos resultados no Finkel, principalmente nas minhas principais provas, os 50 e 100mts borboleta”, conta Martins.

Foto: Satiro Sodré/SSPress

Na sequencia ele embarcará para Taipei, Taiwan, para disputar os Jogos Universitários Mundiais – Universíade. “Na edição de 2015 ganhei dois ouros (50mts borboleta e 100mts livre) e uma medalha de prata (50mts livre). Pretendo defender o ouro nos 50mts borboleta”, garante.

Aos 25 anos, Henrique Martins tem o desafio diário de conciliar os treinos duas vezes ao dia, além das sessões de musculação, com a faculdade de Turismo na Unisul (SC), que cursa à distância. Como objetivo a longo prazo estão os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Mas, como ele faz questão de frisar, tem muito chão até lá. “O objetivo é cumprir um passo de cada vez. Estou sempre tentando subir um degrau por ano para chegar à Olimpíada com resultados consistentes. E tenho certeza que estou no caminho certo”, finaliza.

Mundial da integração

Um ano após a realização dos Jogos Rio 2016 e depois de enfrentar uma das fases mais tristes da sua trajetória, com as turbulências envolvendo a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, a natação brasileira voltou a viver momentos de glória no Mundial de Budapeste, encerrado no dia 30. Na opinião de Henrique Martins, um dos pontos altos do mundial foi a integração entre os atletas. O clima entre os nadadores estava excelente, com a equipe muito unida, e isso refletiu muito bem na água.

                                Foto: Satiro Sodré/SSPress

“Ter uma Olimpíada em casa, em um esporte com grande representatividade, acabou pesando negativamente e a pressão interferiu no resultado. Mas foi uma lição aprendida e os ajustes foram feitos. No Mundial já foi totalmente diferente. Tivemos uma reunião muito bacana de aclimatação e conseguimos manter um ânimo muito positivo e de felicidade”, conta.

Martins destaca como ponto alto desta excelente integração a postura de César Cielo e Nicholas Santos, dois dos mais experientes nadadores em ação, que assumiram o posto de líderes do time, incentivando os atletas e a torcida brasileira. “Foi muito especial ver o Cielo e o Nicholas, que são ídolos de toda uma geração, passando as suas experiências para os mais jovens, ajudando muito no dia a dia e tomando à frente de tudo. Eles não encaram os mais jovens como adversários, mas sim, como talentos que, assim como eles, ajudarão a agregar muito valor para a natação brasileira”, finaliza.​

Não existem comentários, envie o seu