Cresce o número de ex-atletas na categoria master

Atletas

A cada ano cresce o interesse por competições de masters no país e os campeonatos nacionais chegam a reunir mais de 400 pessoas em cada uma de etapas. Além dos ex-atletas, também é grande o número de pessoas que não sabiam nadar e que ingressam no esporte por conta da saúde e do bem-estar.

De acordo com Helane Quezado de Magalhães, Presidente da Associação Brasileira de Masters de Natação (ABMN), muitos nadadores acabam desistindo do esporte por conta do vestibular, da faculdade e da entrada no mercado de trabalho. “Depois de formados e estabelecidos profissionalmente, eles sentem saudade e necessidade de voltar a praticar a modalidade, desta vez, sem a pressão da época de atletas. Isso explica o crescente número de participantes nos campeonatos da categoria”, explica Helane.

Um dos destaques da natação brasileira master é o mineiro Marcus Mattioli, patrocinado pela Hammerhead, eleito em 2007, 2013 e 2015 como o melhor nadador master do mundo pela revista Swimming World, uma das mais conceituadas publicações do segmento. Medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Moscou, em 1980, Mattioli compete na categoria 55+ e detém 11 recordes mundiais. “Eu parei de nadar em 1988 e, como todo ex-atleta, acabei engordando muito. Voltei a nadar quase duas décadas depois por conta do incentivo do meu filho Rafael e para ter uma qualidade de vida melhor. Aprendi a finalmente me divertir fazendo o que gosto”, conta Mattioli.

Nos campeonatos de masters também é comum encontrar pessoas que começaram nadar em busca de qualidade de vida e que competem somente pelo prazer. “Nos campeonatos masters não existe a imposição pelo resultado. Os participantes competem pela superação das suas próprias metas. E esse é o espírito que buscamos apoiar e incentivar sempre”, finaliza Helane.

Não existem comentários, envie o seu