Ana Castro: o desafio de ser mãe-atleta é diário

Atletas

Confesso que desde quando descobri a gravidez me veio um filme na cabeça de como seria minha vida e, principalmente, como seria para continuar a minha vida de atleta, até que meu filho nasceu…

Desde daí nada ocorreu como eu queria. Muitas atletas hoje optam pelo parto normal – até para retornar suas atividades físicas e treinos mais rapidamente – e era exatamente isso que eu queria! Mas comigo foi diferente. Até os últimos minutos antecedentes ao parto eu realmente achei que conseguiria o parto normal, até que fui impossibilitada e acabou sendo uma cesárea. Como muitos sabem na cesárea o processo de recuperação é mais longo e foi aí que começou a fugir do meu controle.

Eu realmente achei que não conseguiria voltar a treinar, pois levaria muito tempo. Até que as coisas foram se encaixando, a minha recuperação foi super rápida e após dois meses eu já tinha voltado aos treinos. Começou o desafio de ser mãe-atleta, que é um desafio diário. É saber que quando eu chegar do treino não vou poder descansar a hora que quero; é saber que eu tenho alguém que precisa da minha atenção todo tempo e quando dorme eu logo quero descansar também porque estou com o corpo doendo de uma série super forte que tive no treino; é saber que eu posso descansar duas horas seguidas, mas também saber que ele pode acordar 30 minutos depois e eu ainda não descansei nada, mas mesmo assim eu me mantenho alegre e atenciosa com meu filho porque ele ainda não entende que eu preciso descansar e ele precisa de atenção. Por isso digo que o desafio de ser mãe-atleta é diário.

Eu alterno os horários de treino quando dá. Quando estou bem descansada vou pela manhã, mas quando realmente preciso descansar mais um pouco vou na parte da tarde e assim a gente vai encaixando os horários. Digo a gente, pois tenho minha família e o pai do meu filho que me ajuda e muito para eu poder todos os dias enfrentar esse desafio! Tem dias que estou exausta de um treino anterior e de uma madrugada onde acordei mais de três vezes para amamentar. Ao amanhecer já tenho que estar de pé para o treino matinal e aí eu me pergunto de onde tiro forças para aguentar levantar para treinar. Mas nada melhor do que o sorriso do meu filho, aquele sorriso que eu consigo realmente descrever o que ele quer dizer: “vai treinar mamãe, eu vou ficar quietinho com os vovôs e quando chegar te darei outro sorriso para mostrar que eu fiquei bem e estava morrendo de saudade!”. É assim todos os dias e o desafio segue – um desafio tão cansativo, porém, tão compensador que te dá forças e energias para cada dia de treinamento!

A maternidade por si só é uma dádiva de Deus e sou muito realizada por poder ter sido agraciada pelo dom de ser mãe. A gente muda completamente e hoje não me vejo apenas a Ana Beatriz atleta, mas sim, a mãe-atleta, que todo dia se doa para o filho e todo dia aprende mais um pouco com ele; que esquece o cansaço e a exaustão de um treino porque sabe que quando chegar em casa ele estará esperando; que corre até ele para ver como está, recebendo em troca um olhar onde é possível traduzir: “mais um dia e você conseguiu, mamãe!”.

Ser mãe não é fácil, mas ser mãe atleta, por mais cansativo e desafiador que seja, mesmo achando que não terei forças para mais um dia, meu filho me mostra que eu tenho essa força sim e prossigo dia a dia porque meu filho é meu principal incentivador.

Depoimento de Ana Beatriz Castro, nadadora do Botafogo (RJ) 

 

  • 3 de maio de 2017

    Lindo!
    Um belo exemplo, sonhos são sempre sonhos, e sempre serão reais quando temos os nossos melhores incentivos ao nosso lado, nossa motivação diária!!!

    Filhosss.. Presente de Deus em nossas vidas

  • 3 de maio de 2017

    João Dias e Joana Darc, Avós Atletas!!!! Ser pai de uma mãe atleta não é fácil. Mas é fascinante saber que a filha que um dia também foi bebê, agora gerou, deu a luz e cria uma bebezinho lindo com a matéria das mães mais experientes. E esta descobrindo rapidamente que para ser mãe não é necessário faculdade ou curso técnico de maternidade. Ela prática a maternidade utilizando o insumo básico necessário. O AMOR! E esse amor se traduz em cuidar, amamentar, brincar, dar banho, proteger do frio, ventilar no calor, trocar as fraldas (com certeza essa parte ajuda no fortalecimento muscular… Caraca, de onde sai tanto chichi e massinha. Toda hora vem…) e o principal, defender, paparicar, corujar e não hesitar e matar ou morrer por ele. Somando a toda essa ginástica digna dos lutadores de MMA, ainda treinar… Na verdade dona Ana Beatriz, vocês não e só Mãe-Atleta… Você é uma heroína!!! E nossa família e seu grupo de apoio… Todos de alguma maneira dão sua cota de sacrifício pra possibilitar sua heróica luta de ser mae-Atleta… Na verdade somos em parceria uma Familia-Atleta…