A maior limitação no Brasil ainda é o desconhecimento

Você Sabia?

Você sabia que hoje, 21 de setembro, é o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência? Já o Dia Nacional do Atleta Paralímpico será amanhã (22) e com muitas razões para celebrar. No entanto, também há muito para refletir, já que a desigualdade, a exclusão e o preconceito ainda são realidades no Brasil.

Nas últimas duas décadas o país saiu da posição de coadjuvante para potência mundial paraolímpica, com 72 medalhas, sendo 14 de ouro, e a oitava colocação geral nos jogos realizados em 2016, no Rio de Janeiro. A seleção brasileira paraolímpica de natação, que teve apoio da Hammerhead e usou dos trajes da marca na competição, finalizou sua participação histórica com 19 medalhas, sendo 4 de ouro, 7 de prata e 8 de bronze.

André Brasil é o segundo maior medalhista do país em Jogos Paralímpicos

Um dos principais astros foi o nadador André Brasil, que conquistou quatro medalhas (2 de prata e 2 de bronze) e se tornou o segundo maior medalhista paralímpico do país, com 14 no total. Apesar do grande reconhecimento esportivo, na opinião do atleta, o principal desafio ainda é a mudança cultural. “Cerca de 25% da população brasileira tem algum tipo de deficiência, mas ainda somos subjugados e precisamos lutar contra o preconceito e a discriminação”, revela André. “Somos capazes de fazer coisas incríveis e tenho esperança que um dia teremos oportunidade de igualdade”, revela.

“Jamais devemos subestimar a nossa capacidade de superação”, afirma Caíque Aimoré

O mesmo desafio é compartilhado por Caíque Aimoré, um dos maiores destaques da natação internacional DSISO. Por ano nascem no mundo 9,8 milhões de bebês com problemas de formação, sendo que a Síndrome de Down é a de maior incidência na área das síndromes genéticas, com 91%. No Brasil, o IBGE calcula que esse número seja de 300 mil. No entanto, um dos grandes obstáculos é a inclusão social e ainda existe um grande desconhecimento por parte da sociedade em como lidar com esse público.

Em julho, o atleta obteve seis medalhas no Mundial de Natação Down

“Mas estamos conseguindo provar que é possível superar as adversidades e ir além por meio do esporte. Jamais devemos subestimar a capacidade de superação que há em cada um de nós”, orgulha-se Caíque, que obteve seis medalhas (5 pratas e 1 bronze) no Campeonato Mundial de Natação Down, realizado em julho, no Canadá. O paratleta de Mogi das Cruzes (SP) já soma 27 medalhas em quatro Mundiais.

Não existem comentários, envie o seu